Crítica | Dunkirk

Na Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier …

Review Overview

Nota Geral

3,5

User Rating: Be the first one !
70

Na Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier precisa destruir um avião inimigo, um dia inteiro em alto mar, onde o civil britânico Dawson leva seu barco de passeio para ajudar a resgatar o exército de seu país, e uma semana na praia, onde o jovem soldado Tommy busca escapar a qualquer preço.

Bodega Bay

Franceses e britânicos cercados numa praia pelo inimigo. Uma da histórias de resgaste mais conhecidas da Segunda Guerra Mundial aconteceu em Dunquerque, e ficou conhecida como Operação Dínamo. Para retratar essa história nas telonas, o diretor Christopher Nolan foi ambicioso e decidiu conta-lá a partir de pontos de vistas diferentes, mostrando um pouco do acontecido pelos olhos de quem sofreu com os ataques em terra, pelo ar e pelo mar.

Quando se trata de cinematografia, que por definição afirmarmos ser o conjunto de princípios, processos e técnicas utilizadas para captar e projetar numa tela as ideias de um diretor, Christopher Nolan demonstra há muito tempo ser diferenciado. Ele consegue inserir o público na atmosfera do seu filme. Seja em Gotham City, numa espaçonave em outro planeta, ou numa praia cheia de soldados, o espectador sente que está vivenciando verdadeiramente aquele momento. Em Dunkirk, o diretor faz seu melhor trabalho, se utilizando de uma excelente edição de som, uma trilha sonora que transfere a sensação de emergência e ângulos de câmera que deixam o público agoniado na poltrona.

Dunkirk

Contudo, os problemas de Dunkirk começam na hora de desenvolver seus personagens. Como a história é dividida em três atos, o diretor parece se importar mais em fazer com que os acontecimentos se entrelacem, do que realmente desenvolver as histórias ao redor dos envolvidos. Com isso, tudo acaba parecendo mais forçado do que natural, e quando os momentos se cruzam, não tem o impacto desejado. Além disso, muitos dos seus personagens servem apenas como narradores para explicar o público do que está acontecendo.

Impacto é algo que também se sente falta no último ato. Apesar de o inimigo estar presente na praia, o diretor não o explora, e limita a sua grande ameaça terrestre, a um barco ancorado na praia sendo utilizado como tiro ao alvo. Os longas do gênero de guerra que são considerados “obras primas” têm em comum o tom visceral, sangrento e violento, e é exatamente do que mais sentimos falta na guerra dirigida por Nolan.

É inegável que Dunkirk é um ótimo filme, todavia, muitos críticos e sites de cinema o apontaram como uma obra prima do gênero, e isso é algo que está muito longe dessa praia.

 

O que achou?

Comentários

About Victor Noblat

Victor Noblat
Comentarista esportivo, viciado em filmes e séries. "Um Homem que não se dedica a família não é um homem de verdade" CORLEONE. Vito
Host Geek. 2014.